adios lounge

Não pareço com nenhuma.

Só eu sei o quanto poderia ter sido como elas.

Mas elas também tiveram um pouco de mim. Aquele pouco o suficiente pra quase nos enlouquecer.

um total desequilíbrio

Ali com ela chorando nas escadas eu me dei conta do quanto faz falta.

Agora, ela tem uma chance. Recomeçar, fazer tudo certo. Falei pra ela, vai lá e faz o que eu não fiz na hora certa, agora estou aqui toda enrolada, cheia de nós. NÓS.

Ensaio e não começo. Fujo das receitas, mas não das pílulas e dos copos e das taças.

Elas começaram. Algumas me acenam, suspendem o braço pra me puxar pra cima.

Eu hesito. Digo que não preciso, tipo a Amy com a rehab.

Outra amaldiçoou quando nos esbarramos. Aquilo tudo aconteceu porque eu estava aquela bagunça toda.

Só que ela já sabia. Tinha aquele ruído constante a ponto da audição acostumar e achar que era só um ruído e coisa alguma iria se quebrar. Estava lá. Ele riu.

Eu não aprendo, cara.

Vou escutar o Tom Waits cantar todo dia pra ver se entra na minha cabeça dura.

Don’t let nobody go there for you
Don’t be satisfied with a second-hand life
Don’t let nobody stifle or bore you
Handle your troubles or take on your strife
Don’t let nobody live your life for you
Not your friends, not your kids, not even your wife
If you want to know where the rainbow ends
It’s you who’ve got to go there and find it my friend
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s