No name #5

Quando ouço  os gritos e as portas

Não sinto

Não sou mais eu

Em algum momento fui eu?

É provável que eu não deixe marcas

Ele se lembra de mim quando escuta aquele disco

Lembro dos idiotas, como eles não mudavam

Faziam me sentir num filme de adolescentes

Suas faculdades, suas festas

Ele, não, não se encaixava em nada disso

A fita adesiva nos dedos, o subúrbio, a responsabilidade, a delicadeza

Eu tinha uma versão  falsificada disso ao meu lado

Esse foi um dos meus primeiros nós dos que me impediram de ser eu

Ele tinha essa garota

Linda como ele, com um sorriso que eu nunca tive

Ele a tem e eles juntos formam aquele album de fotos que nunca iremos ter

Eu segui e fiz mais um nó

E me enrosquei

E foi com um daqueles dos filmes

O tipo das festas e dos jogos interestaduais

Esse mesmo

dos imbecis das faculdades  pagas pelos pais

do bairro rico

De tudo que eu odeio

O tipo que nunca vai nos entender

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s